Letöltés

Szintemelkedés

1 762 m

Nehézségi szint

Nagyon nehéz

lefelé

616 m

Max elevation

2 144 m

Trailrank

55

Min elevation

822 m

Trail type

One Way

Idõ

9 óra 3 perc

Koordináták

1905

Uploaded

2020. július 6.

Recorded

július 2020
Be the first to clap
Share
-
-
2 144 m
822 m
11,99 km

Megtekintve 133 alkalommal, letöltve 5 alkalommal

közel Posada de Valdeón, Castilla y León (España)

- ETAPA 1/2: POSADA DE VALDEÓN A COLLADO JERMOSO E TORRE DEL LLAZ;
- Trilho circular, no Parque Nacional dos Picos de Europa, dividido em duas etapas. Nesta primeira etapa percorreu-se o PR - PNPE 16: Collado Jermoso, desenvolvendo-se o trilho, primeiro, pela margem esquerda do rio Cares, ao longo do Camiño del Bustio entre Posada de Valdeón e Cordiñanes de Valdeón, e posteriormente ascendendo pela Rienda de Asotín, Canal de Asotín (passando pelo Hayedo e Vega de Asotín), Collado Solano, Traviesas de Congosto, Argayo Congosto, Collado Jermoso, Torre del Llaz e Torre Jermoso, com início no centro de Posada de Valdeón e fim no Refúgio Diego Mella, no Collado Jermoso;
- Este trilho desenvolve-se essencialmente por caminhos de pé posto (montanha), excetuando-se os primeiros 4,6 kms, em estradão de terra e algum alcatrão ao atravessar Cordiñanes;
- Trilho de montanha de grande exigência física, com um desnível fortíssimo e algumas passagens técnicas (não necessitam de material técnico mas sim de destreza física). Para ajudar a melhor perceber o grau de exigência, a ascensão ao Collado Jermoso faz-se ao longo de 4 kms, cujo tempo previsto para os percorrer é de 4 horas...;
- Ao longo de todo o percurso, as paisagens são deslumbrantes, com destaque para a imponência das várias torres que nos rodeiam: Torre Cantodota, Llambrión, Friero, Peña Santa, Torre de Llaz e Torre Jermosa;
- Sem dúvida, um trilho mítico e fabuloso mas que requer muito boa preparação física. É preciso determinação para não sucumbirmos ao esforço, sobretudo no último terço da ascensão, onde é necessário usar também as mãos para nos ajudar a vencer a forte inclinação do Argayo Congosto. Note-se que neste troço existem dois ou três passos em que temos de nos içar para ultrapassar algumas paredes mais inclinadas, mas onde existem vários pontos de apoio para mãos e pés. MUITO IMPORTANTE: a menos que se tenha experiência (e equipamento) de alpinismo em gelo, este trilho não deve ser realizado em dias de chuva ou com neve e gelo, pois o mesmo tornar-se-á muito escorregadio e altamente perigoso.

__________________________________________________________________________________________


- PNPE - ESPANHA
O Parque Nacional dos Picos de Europa ou simplesmente Parque Nacional Picos de Europa situa-se nas províncias de Cantabria, Asturias e Leão, sendo o único Parque Nacional pertencente a três comunidades autónomas diferentes e gerido de forma conjunta. O maciço ocidental foi declarado Parque Nacional em 22 de julho de 1918 por Afonso XII com o nome de Parque Nacional de la Montaña de Covadonga, sendo o primeiro espaço protegido do país. Inicialmente comprendia 16.925 ha, até que em 30 de maio de 1995 a sua área foi aumentada para os 64.660 hectares actuais. Em 9 de julho de 2003 a Unesco aprovou a proposta que o converte em Reserva da biosfera.


- MACIZO DE LOS URRIELES
O Maciço de Urrieles ou Maciço Central é um maciço montanhoso localizado no norte da Espanha, um dos três maciços que compõem os Picos da Europa, por sua vez, uma das seções do maciço cantábrico pertencente à cordilheira cantábrica. Os outros dois maciços são o Cornión e Ándara, e é, dos três, o mais alto. Administrativamente, pertence às Astúrias, Cantábria e Leão, comunidades autónomas do Principado das Astúrias, Cantábria e Castela e Leão. Localizado entre os vales escavados pelos rios Cares e Duje, encontra-se o maciço central, sem dúvida o mais acidentado e vertical dos Picos da Europa. Possui as maiores alturas dos três maciços, já que 38 de seus picos ultrapassam os 2500 m, quatorze deles (curiosamente o mesmo número de oito mil no planeta) acima de 2600 m. Somente a Peña Santa, no maciço ocidental, entraria naquele grupo de 38 montanhas acima de 2500 m. Embora seja menos extenso que o Maciço de Cornión, o Maciço de Urrieles tem uma superfície montanhosa mais alta que a anterior, coroada pelo Torrecerredo com 2650 m de altitude. No entanto, não é nesse ponto que se encontra a lenda deste maciço, em particular, e dos Picos da Europa em geral. Para encontrá-lo, você deve seguir para o leste, no coração dos Urrieles, em direção ao Naranjo de Bulnes ou Picu Urriellu, o autêntico símbolo da montanha asturiana e o local onde, desde a sua conquista em 1905, foram escritas as mais belas páginas do montanhismo espanhol. Exemplos são a abertura da primeira estrada na sua face oeste, 550 m de verticalidade de calcário, por Alberto Rabadá e Ernesto Navarro em 1962, ou a estrada “Sueños de Invierno”, para cuja construção José Luis García Gallego e Miguel Ángel Díez Vives estiveram pendurados na parede 69 dias sem interrupção. Como o Cornión, o Maciço Central pode ser dividido em diferentes áreas para uma análise mais fácil e compreensível. Neste caso concreto, a secção que se percorre neste trilho "Setor do Llambrión". Nesta área, localizada no sudoeste do Maciço Central, encontra-se a maior concentração de elevações dos Picos da Europa, com várias alturas superiores a 2600 m. Especificamente, abrange nove dos quatorze picos que excedem 2600 m. Ao redor da torre Llambrión (2642 m), encontram-se picos de grande relevância e todos muito próximos. O Tiro de Tirso destaca-se pela sua altura, o que rivaliza com o próprio Llambrión, com seus 2641 m de altitude. Há também a Torre sem nome (2638 m - atualmente em processo de batismo como torre Schulze, em homenagem à figura deste pioneiro nos Picos da Europa), a Torre Casiano de Prado (2622 m), a Torre Llastrias (2621 m), Torre Branca (2617 m), Torre de la Palanca (2614 m), Torre Peñalara (2607 m) e Torre Hoyo Grande (2602 m). Ao sul da torre Casiano de Prado também é possível mencionar a Torre das minas de carvão, que fica a 2595 m de altitude. A sudeste da Torre Branca, existem elevações importantes, como a de Llago, a de Madejuno ou a de Casares, já nas proximidades de Cabaña Verónica. Continuando em direção a sudeste, outros picos emergem, como a Torre Hoyo Oscuro, o Pico de San Carlos, a Torre Altáiz ou o Pico Padierna, nas proximidades de Fuente Dé, no extremo sul dos Urrieles. A oeste da Torre de la Palanca, três importantes torres se erguem: a de Diego Mella, a de Delgado Úbeda e a de Peñalba. Continuando nessa direção oeste, o setor começa a perder altura, com picos de menor relevância até atingir o leito do rio Cares. Destaque-se ainda, logo após o início do percurso do rio, a Torre La Celada (2470 m), tanto pela sua altura quanto pelo outro nome com o qual também foi batizada, a Torre Don Pedro Pidal, em homenagem ao homem cujo nome é provavelmente o mais importante na história destas montanhas.


- PR - PNPE 16: COLLADO JERMOSO
A rota PR - PNPE 16 Collado Jermoso, a partir de Cordiñanes, é um dos trilhos mais difíceis e duros do Parque Nacional dos Picos da Europa, sobretudo devido ao enorme desnível que se tem de vencer. A rota que começa na povoação de Cordiñanes, no vale de Valdeón, a uma altitude de 850 m, e sobe para 2064 m, no Collado Jermoso, em menos de cinco quilômetros, obrigando a um enorme esforço físico, que pode ser ainda mais severo dependendo das condições meteorológicas e da época do ano. Cuidado especial com neve ou nevoeiro. A recompensa é visitar um dos lugares mais impressionantes das altas montanhas dos Picos da Europa, uma varanda natural sobre os abismos de calcário localizados na encosta ocidental do maciço central, de onde se pode, sem dúvida, desfrutar de uma das melhores vistas do vale de Valdeón e dos picos do Macizo del Cornión. No Collado Jermoso está localizado o refúgio de montanha Diego Mella. O habitual é fazer essa rota e passar a noite no refúgio para descer no dia seguinte ou, a partir daí, planear outras vias de acesso ao interior do Maciço Central, reservadas a montanhistas mais preparados. O céu noturno e o pôr do sol são outros incentivos para desfrutar no Collado Jermoso. Mas atenção: evite fazer este trilho se você não tiver preparação física suficiente e equipamento adequado.
ROTA DO COLLADO JERMOSO DESDE CORDIÑANES
É uma rota de alta montanha para a qual é necessária preparação física especial e equipamento adequado para altas montanhas. O seu traçado exige força, resistência e boa forma física, pois acumula um grande desnível em poucos quilómetros, percorrendo itinerários expostos a diferentes riscos. É necessário planear a atividade e transportar muita água, especialmente no verão. Só se encontra água em Cordiñanes e pouco antes de chegar ao refúgio; na primavera também se encontra na Vega de Asotín, logo abaixo do Argallo Congosto. No caso de não ter a certeza de se poder fazer isto sozinho, é melhor contar com os serviços de um dos guias qualificados que trabalham na área. A rota não é adequada para todos os públicos. Está sinalizada como PR, com faixas brancas e amarelas, placas indicando o parque e alguns "jito" (ou mariolas). Seguir o itinerário é fácil em épocas como verão e outono, a menos que o nevoeiro surja. No inverno e na primavera, as condições climatéricas e a presença de neve podem comprometer seriamente a realização da atividade. Como alternativa mais acessível, pode-se fazer a primeira parte do itinerário até à Vega de Asotín e depois retornar a Cordiñanes pelo mesmo caminho. Esta opção, de cerca de três horas de viagem entre ida e volta, permite abordar de maneira menos exigente o ambiente da alta montanha dos Picos da Europa. No caminho para a Vega de Asotín encontra-se a floresta de faias de Asotín, recentemente declarada Património da Humanidade, pela Unesco. Qualquer que seja a opção escolhida, tente não sobrestimar as suas capacidades e lembre-se de que as excursões terminam no vale.
- Rota por terreno de ALTA MONTANHA
- Pequena Rota PR-PNPE 16
- Dificuldade ALTA
- Horário estimado: ±5 h 00´
- Distância total percorrida: 5,1 km apenas ida
- Lugar início ⁄ fim de rota: Cordiñanes de Valdeón
Híd

Ponte sobre o rio Cares (Posada de Valdeón)

O rio Cares é um rio das comunidades autónomas espanholas de Castela e Leão e Astúrias, afluente do rio Deva, que por sua vez desagua no mar Cantábrico. É um curto rio de montanha que forma uma espetacular garganta pela qual se estende a concorrida Rota do Cares, uma das rotas pedestres mais conhecidas dos Picos de Europa que passa por desfiladeiros. Conta com duas barragens (a da central elétrica de Camarmeña e a de Poncebos) e é conhecido pelos seus salmões. Nasce em Posada de Valdeón, na Cordilheira Cantábrica (Província de León), a 1600 m de altitude e pela confluência de vários regatos. Desagua no rio Deva em Vega de Llés. Entre os seus afluentes estão o rio Bulnes, o rio Duje e o rio Casaño. Atravessa as localidades de Posada de Valdeón e Caín em Leão; e Poncebos e Arenas de Cabrales nas Astúrias.

Embalse de Cordiñanes

Panoráma

Miradouro (Cordiñanes e Via Ferrata de Valdeón)

A Via Ferrata de Valdeón é a primeira ferrata de toda a Espanha a ser localizada no território de um parque nacional, como os Picos da Europa. Localizada nas proximidades da povoação de Cordiñanes, no vale de Valdeón, esta Via Ferrata é construída entre a Aguja de Maria del Carmen e a Peña Castro, tendo um traçado de cerca de 1200 m em rocha vertical e um desnível de cerca de 300 m.
Panoráma

Mirador del Tombo

Localizado a menos de 1 km da aldeia de Cordiñanes, na estrada que liga Posada de Valdeón a Caín, este miradouro de montanha é talvez um dos mais visitados de Espanha, uma paragem obrigatória para todos os caminhantes que vêm fazer a famosa Ruta del Cares. Permite desfrutar de uma vista excecional sobre o Vale de Valdeón, o Maciço Central dos Picos de Europa, a zona de Pambuches, no Maciço Ocidental e a aldeia de Cordiñanes. Pelo facto de também estar localizado em frente à escarpa onde se encontra a nova Via Ferrata de Valdeón, permite contemplar a evolução dos praticantes ao realizarem o itinerário vertical e aéreo da ferrata.
Híd

Ponte sobre o rio Cares (Cordiñanes)

Kút

Fonte (início do PR PNPE 16)

Waypoint

Senda de la Rienda de Asotín (cadeados)

Panoráma

Panorâmica

Vale de Valdeón e Aguja Maria del Carmen (Via Ferrata de Valdeón)
Waypoint

Paso de Alfredo

Fa

Hayedo de Asotín

Património Mundial desde 2017, a floresta de faias de Asotín está localizada no canal do mesmo nome, que dá acesso ao Collado Jermoso, no Maciço Central dos Picos da Europa. Esta bela floresta de faias está situada no meio do Canal de Asotín, a cerca de 50 minutos a pé de Cordiñanes. O acesso à floresta de faias requer alguma prática de montanhismo, pois o caminho deve ser feito através da chamada Senda de la Rienda, um antigo caminho usado por pastores e habitantes locais e que hoje é a via mais usada para acederr ao Collado Jermoso. Provavelmente, a sua localização de difícil acesso foi a razão de seu excelente estado de preservação.
Waypoint

Vega de Asotín

Hágó

Collado Solano

Waypoint

Las Traviesas de Congosto

Waypoint

El Argayo Congosto

Menedékház

Refúgio Collado Jermoso

Localizado a 2064 m. de altitude, no sopé do Collado Jermoso, de onde é tirada a sua designação mais conhecida e familiar, o "Refugio Diego Mella" (nome oficial) é um dos principais destinos do Parque Nacional Picos de Europa, no seu Maciço Central, localizado sob alguns dos picos mais altos do PNPE, como a Torre del Llambrión (2642m) ou a Torre de la Palanca (2609m) e com vista para os abismos que caem no desfiladeiro pelo canal de Asotín até ao rio Cares e às terras do vale de Valdeón. Este é um dos lugares mais selvagens e inacessíveis para visitar no Maciço Central dos Picos da Europa e um excelente ponto de partida para inúmeras subidas e atividades de montanha. Os acessos a este refúgio são bastante difíceis, pois a abordagem obriga a superar mais de quatro ou cinco horas a pé e entre os 800 e os 2064 metros de altitude. Durante o verão, o acesso por essas rotas não oferece dificuldades técnicas e permite descobrir a essência e a beleza da alta montanha dos Picos da Europa. No inverno, a neve e as condições extremas das montanhas complicam consideravelmente o acesso. Durante os meses de verão, o refúgio está aberto com serviço de comida e bebida, mediante reserva. Saliente-se que os abrigos de montanha são instalações promovidas para quem pratica desportos de montanha, para facilitar travessias e subidas que ocorrem em áreas remotas, principalmente por clubes e federações de montanha. As instalações que possuem guardas de abrigo obrigam, por aplicação da legislação autónoma correspondente, uma garantia de qualidade para o usuário que paga um preço pelos serviços que recebe. Por outro lado, as funções de um abrigo vigiado vão além da simples abordagem turística ou desportiva e entram totalmente no campo do serviço público, não apenas porque servem como apoio no resgate de vítimas, mas também no apoio à informação, consciencialização ambiental ou controle do meio ambiente.
Hágó

Collado Jermoso

Csúcs

Torre del Llaz

Csúcs

Torre Jermoso

Hozzászólások

    You can or this trail